A polêmica dos convites para o Brasil Open

O Rio Open realizado na semana passada já ficou para a história e nesta semana a grande competição realizada em terras Tupiniquins é o Brasil Open, disputado em quadras montadas no Ginásio do Ibirapuera e que faz parte da série ATP 250. Porém, antes mesmo do início do torneio neste ano a polêmica já estava no ar, tudo por conta de um convite da organização para o uruguaio Pablo Cuevas disputar o torneio.

Pablo Cuevas é o único tricampeão da história do Brasil Open mas nesta temporada perdeu a data limite para inscrição na competição, o que o deixaria de fora daquela que seria a sua sexta participação consecutiva e a décima na história do Aberto do Brasil.

A situação foi resolvida pela organização que ofereceu um Wild Card para o uruguaio, mas este convite acabou deixando de fora alguns dos tenistas mais importantes do país como Thomaz Bellucci e Rogerinho, que apesar de terem recebido convites para o torneio de duplas estão fora da disputa na chave de simples.

Rogerinho era o mais revoltado com a situação e deu uma entrevista contundente ainda antes de fazer a final do Rio Open em duplas com Bellucci:

– “Volto a falar. Acho que é por isso que o tênis brasileiro está onde está. Vou ressaltar que isso não é nada contra o Cuevas, quero deixar isso bem claro. Mas, o Thomaz é ex-número 21 do mundo, já fez semifinal, eu fiz quartas no ano passado… Como falei, a gente conta isso para os outros jogadores e é motivo de chacota. Ano passado, o Thomaz pediu um convite em Gstaad, onde já foi campeão duas vezes, e não deram nem para o quali. E aqui, um jogador brasileiro, de São Paulo, não recebe. É muito fácil criticar e não ajudar”.

Bellucci seguiu a mesma linha em sua entrevista:

– “Não foi uma decisão fácil para nós jogarmos lá depois de tudo que aconteceu. A gente é profissional e tem que jogar independente de quem estiver organizando. Vamos jogar onde nascemos, crescemos, então vamos dar nosso melhor. E acho que não temos mais que pensar nisso, é irrelevante. Não temos também nada pessoal contra ninguém, é mais pela questão do conceito. Essas empresas promovem o torneio a maior parte com lei de incentivo. E cadê o incentivo para o tênis brasileiro? ”

A organização do Brasil Open respondeu aos dois em comunicado, explicando a escolha por Cuevas:

– “Contestada por Dutra Silva e Bellucci, nossa opção pelo convite ao uruguaio Pablo Cuevas é contundente. Ele tem uma relação histórica com o nosso torneio. É o único tricampeão consecutivo do Brasil Open (2015, 2016 e 2017) e vem tendo um bom início de temporada com uma semifinal em Córdoba, quartas em Buenos Aires e semifinal ou final no Rio de Janeiro (ele ainda joga a semifinal hoje à noite).”

Com isso, Rogerinho e Bellucci estarão em quadra no Brasil Open em São Paulo apenas na chave de duplas, onde foram vice-campeões no Rio Open na semana passada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *